Sábado, 18 de Novembro de 2017
 
    
   
Suinicultura :: A sucessão familiar na suinicultura
Notícias » INTERNACIONAL
A sucessão familiar na suinicultura
2014-05-08

Por Valdecir Folador, presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS, Brasília/DF) e Conselheiro

Um estudo desenvolvido pela médica-veterinária Valesca Cecy Filippin, na região de Erechim, no norte do Rio Grande do Sul, revelou que 45% dos filhos dos suinicultores entrevistados não se interessam pela atividade.
O baixo interesse torna-se um grande problema na agricultura familiar, pois não há quem continue com as atividades da propriedade, influenciando na falta de mão-de-obra no campo.
Observamos, através do estudo, que a suinicultura enfrenta uma forte concorrente, que é a oferta de emprego na cidade.
Muitos jovens, mesmo indicando que teriam um melhor rendimento trabalhando em casa do que na cidade, apontam que muitas vezes é melhor trabalhar fora pois nas atividades agropecuárias é necessário que a dedicação seja em tempo integral (trabalho nos finais de semana) e, além disso, no campo a remuneração é incerta.
A cidade também oferece outras opções e facilidades não encontradas no campo, como melhor acesso ao estudo, ao entretenimento, à saúde, a uma vida social mais intensa, enfim, a uma série de vantagens que todos buscam – produtores ou não. Segundo Valesca, muitos filhos também abandonam a atividade suinícola por culpa dos próprios pais, que não aceitam novas ideias ou, então, que não incentivam os filhos a permanecerem na atividade.
A pesquisa apontou que 27% dos pais não incentivam os filhos a continuar na suinicultura: a médica-veterinária observa que muitos produtores talvez não deixem claro o incentivo aos filhos, porém, gostariam que os descendentes continuem com a atividade.
Acredito que um dos pontos a ser trabalhado a favor da suinicultura é sua reestruturação, iniciando-se pela remuneração ao produtor.
Levando-se em conta que a pesquisa aplicada pela médica-veterinária abrangeu cerca de 18% dos produtores integrados de uma cooperativa no norte do Estado, faço referência ao sistema de produção integrado, em que o controle administrativo é realizado pelas integradoras e é necessário que haja um relacionamento mais aberto e transparente com o produtor por parte delas.
A pesquisa ainda conclui que a falta de infraestrutura e o difícil acesso às propriedades e o pouco ou a falta de incentivos por parte dos governantes também são motivos para que os filhos não permaneçam em casa. São fatores que, além da baixa e/ou remuneração incerta, contribuem para o êxodo rural e a diminuição no número de sucessores no campo ou, neste caso, na atividade suinícola.
Segundo a pesquisa realizada, 38% dos suinicultores entrevistados acreditam que não terão sucessores em sua atividade.
Em resumo, na minha opinião, além de tudo que aponta a pesquisa, o que faz alguém continuar ou encerrar um negócio, por mais que ame a atividade, é a rentabilidade do negócio.
É importante que o negócio atenda aos anseios e à necessidade de crescimento patrimonial e qualidade de vida com todo o conforto que os produtores também gostam e carecem.

 

 

 










Subscreva a nossa newsletter

 


FPAS - Federação Portuguesa de Associações de Suinicultores © Copyright 2014 - Todos os Direitos Reservados